O mundo está focado em dois acontecimentos distintos: crise na Ucrânia e o desaparecimento do avião da Malásia. Apesar desses eventos parecerem tão dispares, é possível identificar muitos pontos aonde eles se encontram. Alguns vão me perguntar: “Heni, pra que perder tempo com essa ligação?” Meu objetivo é mostrar que no século 21 a política permeia tudo o que acontece, e pela ótica do risco político global um acontecimento se relaciona e repercute com diversos outros.

Não se sabe ainda o que aconteceu com o avião da cia aérea da Malásia, mas mesmo assim podemos analisar as ligações e relações políticas diversas do acontecimento. A maioria dos passageiros eram chineses. Existem suspeitas de que o voo tenha sido alvo de alguma sabotagem ou ataque terrorista (até mesmo alvo de pirataria). Se esse for o caso, um dos grupos com interesse em atacar os chineses está sediado na região “autônoma” de Xinjiang, composta pela minoria dos Uigures – povo de origem turcomena. Alguns grupos separatistas dessa região — como o East Turkestan Islamic Movement (ETIM) — tem ligações com grupos radicais de outros países, como Taliban do Paquistão e al-Qaeda. Inclusive, o ETIM é denominado um grupo terrorista pelos americanos e está incluído na lista do Departamento de Estado como um dos grupos separatistas mais extremistas do mundo.

Com a tensão na Ucrânia colocando o Ocidente em rota de colisão com a Rússia, uma pergunta natural seria sobre a posição dos chineses nessa crise. Até mesmo para os chineses, parceiros diplomáticos costumeiros dos russos, a invasão da Crimeia representa sérios problemas porque viola um dos seus princípios mais sagrados de política externa: o principio de não intervenção. As regiões do Tibet e Xinjiang poderiam usar a questão da Crimeia como um precedente internacional para separação. É importante esclarecer algo que parece não ter ficado devidamente claro sobre a gravidade do que a Rússia está fazendo. Muitos podem dizer ou comparar a violação russa com alguma guerra preventiva americana ou derrubada de regime (Saddam Hussein, no Iraque) e apontar para a normalidade de tais eventos nas relações internacionais. A comparação não é valida porque os EUA não invadiram o Iraque com intuito de incorpora-lo ao seu território. O objetivo não era transformar o território iraquiano em um território americano anexado. Anexar territórios de outros países alterando fronteiras consolidadas sempre foi algo muito serio, ainda mais nos dias de hoje.

Além do dilema diplomático, a China também terá que equilibrar seus interesses e parcerias comerciais com a Ucrânia. A Ucrânia vendeu para a China o seu primeiro porta-aviões, continua fornecendo muitas armas, e arrendou 5% das suas terras para companhias estatais chinesas em troca de projetos de infra-estrutura.

Se o voo 370 tiver sido alvo de um grupo terrorista isso aproximaria os chineses dos americanos pela natural importância do tema na agenda americana. Ao mesmo tempo, os russos também sofrem problemas com grupos radicais separatistas e simpatizariam com as preocupações chinesas. Talvez tanto Rússia quanto EUA tenham o mesmo poder de atração com os chineses dentro do quesito terrorismo/separatismo. Para entendermos realmente qual posição a China tomaria precisamos considerar muitos fatores. Entretanto, um deles vale a pena ser mencionado porque confere uma vantagem única para os EUA e tem ajudado a manter sua supremacia global.

Enquanto os EUA não se mostram dispostos para usar sua musculatura militar no confronto direto com a Rússia, estão usando a força militar através do Soft Power. Esse termo explica como recursos (força militar, cultura, valores, capital, etc) podem ser usados para produzir certas respostas ou ações (atração, cooptação e persuasão). O poder militar tem outras dimensões além daquelas de confronto bélico e imposição de vontades através da força superior. É possível usar o poder militar para ganhar confiança, gerar atracão ou cooptar os outros. Colocar navios militares e seu aparato de inteligência para oferecer ajuda ou assistência é uma forma de conquistar corações e mentes.

O Departamento de Inteligência Naval da Marinha Americana tem um histórico de sucesso na recuperação de navios, submarinos, pilotos e armas no oceano. Um desses casos foi a localização do submarino Scorpio, em 1968, quando afundou no norte do Atlântico. Por enquanto, a divisão de submarinos da marinha americana ainda não foi chamada para participar das buscas do voo 370. Até mesmo as buscas estão sujeitas a questões de segurança nacional como revelações sobre a capacidade e tecnologia dos satélites militares dos países. A China, por exemplo, dificilmente vai redirecionar os seus satélites militares para ajudar nas buscas com receio de revelar informações preciosas sobre a capacidade dos seus equipamentos. Para os EUA fica mais fácil usar essa vantagem militar sem se expor. Desastres e acidentes globais permitem os americanos exercerem seu poder brando e ganhar mais apoio mundial — um diferencial vital na hora de lidar com os confrontos diretos.

Não sabemos o desfecho da crise na Ucrânia e muito menos as causas do desaparecimento do voo 370, mas podemos analisar como eventos diversos se ligam facilmente dentro do universo da política. No mundo da política internacional é preciso transcender explicações unidimensionais e perceber como situações únicas podem impactar questões diversas.

Artigo original Exame: http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/risco-politico-global/2014/03/17/politica-voo-370-russia-ucrania-china-soft-power/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Topo